Conheça o perigo em nossa caixa de entrada

O perigo em nossa caixa de entrada

É crescente a onda de golpes através de e-mails, e, ao contrário do que se espera, desta vez a culpa é nossa: os usuários. Vamos conhecer o perigo em nossa caixa de entrada.

Quantos divulgam seus e-mails para as mais variadas pessoas? Retransmitem piadas, fotos, correntes e outros para sua lista de amigos? Ao invés de usar a opção “cópia oculta”, usam a opção “com cópia” e deixam o e-mail exposto? Quantos informam dados em um website qualquer, simplesmente porque ele “aparentemente” tinha algo que queria? São esses os e-mails que são copiados e incluídos em listas que são vendidas nas ruas, na internet e que permitem colaborarmos, mesmo que indiretamente, com pessoas que vendem base de e-mails. Ação esta, que é ilegal, segundo o código de auto-regulamentação para prática de e-mail marketing.

O perigo em nossa caixa de entrada

Conheça o perigo em nossa caixa de entrada
Conheça o perigo em nossa caixa de entrada

Os golpes utilizam-se de duas armas para atrair os usuários: A curiosidade e os benefícios. Você provavelmente já recebeu e-mails com ofertas de algo que realmente estava querendo. Como é possível, coincidência? Ocorre que, quando acessamos um site sem ter conhecimento de sua “política de privacidade”, não sabemos o que o mesmo fará com nossas informações.

A política de privacidade e de uso de dados são informações que todo usuário deve saber antes de deixar qualquer informação no site, par que entenda em quais situações a empresa utilizará suas informações pessoais ou corporativas.

Mas, na verdade o que acontece é justamente o contrário, navegamos e clicamos em tudo o que nos interessa, e essas informações são mensuradas e quando menos esperarmos, nossos e-mails estarão em uma lista para o recebimento de mala direta e estaremos abertos para qualquer conteúdo adentrar em nossos computadores.

O código de e-mail marketing estabelece que as bases de e-mails devem ser opt-in ou soft opt-in

Ou seja, os destinatários devem ter solicitado o recebimento das mensagens enviadas (opt-in) ou o remetente deve ter uma relação comercial ou social já estabelecida com o destinatário e passível de comprovação (soft opt-in). Do contrário, o recebimento desses e-mails é ilegal e as mensagens não devem ser abertas.

A chave para a resolução desse problema é a busca pela INFORMAÇÃO. Precisamos estar mais atentos aos detalhes, pois são eles que nos levam a uma cadeia de situações que desembocam em golpes.

UPDATE: A regulamentação avançou muito sobre esse aspecto. Conheça a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) e a GDPR.

Comentários estão fechados.