Vendas pela internet devem crescer 40%

Vendas pela internet devem crescer 40%

O comércio deve registrar crescimento de vendas pela internet de 40% neste Natal na comparação com 2009, segundo estimativas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net). Entre o dia 15 deste mês e a véspera do Natal, as vendas online deverão atingir R$ 2,3 bilhões.

“Este será o melhor ano do varejo online devido à entrada de novos consumidores e de novos varejistas. Houve também um amadurecimento da infraestrutura do comércio eletrônico”, afirma o presidente da camara-e.net, Manuel Matos

Ele destaca que as vendas deste fim de ano serão puxadas pelos eletrônicos e itens de informática. Eles são produtos de maior valor unitário em relação aos livros, CDs e artigos de beleza comercializados na rede.

Varejo tradicional e vendas pela internet

Também para o varejo tradicional, que reúne as lojas físicas, esse também será o melhor Natal da história, afirma Altamiro Carvalho, economista da Fecomércio- SP. “O desempenho das vendas de fim de ano será sustentado pelo ganho de poder de compra do consumidor”.

Segundo o economista, isso resulta de uma combinação inédita de fatores positivos: aumento da renda, do emprego e do crédito. Além disso, a ampliação da escala de produção, associada à maior competição entre lojas e também entre fabricantes forçam os preços para baixo.

Por fim, usando a projeção do Dieese de que o 13º salário deste ano injetará R$ 101,8 bilhões no consumo, Carvalho calcula que, em termos reais, isto é, descontada a inflação, essa cifra terá um acréscimo de R$ 14,3 bilhões em relação à massa do 13º salário de 2009. Em termos reais, essa diferença é quase quatro vezes maior que a registrada entre 2008 e 2009.

Consumidor

Todavia, apesar do crescimento na economia, o consumidor não está disposto a gastar mais para levar para casa bens duráveis mesmo nas vendas pela internet.

Pesquisa Trimestral de Intenção de Compra no Varejo feita pelo Provar (Programa de Administração do Varejo), da FIA (Fundação Instituto de Administração), em parceria com a Felisoni Consultores Associados, revela que, de dez grupos de produtos em cinco deles a intenção de gasto neste fim de ano é menor que no quarto trimestre de 2009. Em resumo, nesse rol estão eletrodomésticos da linha branca, móveis, eletrônicos, informática e eletroportáteis.

Em conclusão Nuno Fuoto, diretor de Estudos e Pesquisas do Provar, afirma “Esse resultado mostra que o consumidor espera conseguir preço menor para produtos de melhor qualidade, com mais tecnologia.

Comentários estão fechados.